Sistema Fiern não negocia e TRT vai decidir sobre dissídio coletivo

624

Por assessoria de imprensa | Foto: John Nascimento

senalba-audiencia-site

A segunda audiência de conciliação entre o Senalba/RN e o Sistema Fiern, dia 23/03 no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), terminou novamente sem acordo. Agora, o dissídio coletivo dos trabalhadores do Sesi-Senai-Iel será decidido pela Justiça do Trabalho, em data ainda a ser marcada.

Para complicar ainda mais a tentativa de acordo, na última audiência os representantes do sistema Fiern rejeitaram a proposta de 0,28%, que seria para completar o reajuste de 7%. Além disso, não aceitaram a proposta de vale alimentação no valor de 110 reais para os trabalhadores que ganham até dois pisos salariais. Segundo o advogado do Sesi-Senai-Iel, Luiz Henrique Medeiros, essa proposta de acordo é inviável, pois representa mais de 228 mil reais ao ano na folha de pagamento.

Para o advogado da Federação dos Senalbas, Renato Antônio, “Nós não conseguimos acreditar que o reajuste seja impossível a um seguimento específico, pois isso aconteceu em todo o país. Então, não há motivos para não atender as reivindicações dos trabalhadores”.

“Foi frustrante, pois achávamos que fecharíamos o acordo sem precisar de levar para dissídio. Mas os empregadores não levaram em consideração nada do que foi colocado pelo sindicato. Acredito que a justiça julgará em favor dos trabalhadores”, afirma Edinaldo Gomes, presidente do Senalba.

A Convenção Coletiva de Trabalho encaminhada para dissídio coletivo no TRT se refere ao ano de 2014, portanto, já deveria estar sendo cumprida. Porém, a falta de respeito dos chefões da Fiern tem impedido um acordo digno para os trabalhadores. No entanto, seja qual for a decisão da Justiça do Trabalho, todas as cláusulas da Convenção Coletiva em questão terão efeito retroativo a julho de 2014, mês da data base dos funcionários do Sesi-Senai-Iel.

“Os trabalhadores vão receber tudo que tiver direito. O Senalba não vai aceitar nenhum centavo a menos, nem vamos concordar com proposta de parcelamento”, declarou Edinaldo.

Acompanhe as notícias sobre o julgamento do dissídio coletivo através do site e das redes sociais do sindicato.

A LUTA NÃO ACABOU E NEM ACABARÁ

A luta por salário justo, condições de trabalho e vida decente depende da mobilização. Por isso, é preciso estar atento e forte para garantir os direitos e as conquistas da classe trabalhadora. A data base dos funcionários do Sesi-Senai-Iel é no mês de julho de cada ano. Para evitar mais prejuízos no cumprimento do Acordo Coletivo de Trabalho o Senalba já está recebendo sugestões para a pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2015-2016.

Vamos fortalecer ainda mais a nossa luta e mostrar aos patrões que não abrimos mão dos nossos direitos. O Senalba está atento e vai continuar mobilizando os trabalhadores para dizer não à exploração. É necessário que os grandes empresários dividam seus fabulosos lucros com os trabalhadores, que não aguentam mais o sufoco dos baixos salários.

Nas assembleias ocorridas em Santa Cruz e Caicó (17/03), Mossoró (19/03) e Natal (20/03) os trabalhadores do Sesi-Senai-Iel demonstraram disposição de luta, disseram não às propostas rebaixadas dos patrões e rejeitaram o banco de horas. Chega de escravidão. Vamos precisar de todo mundo pra banir do mundo a opressão. Participe das atividades convocadas pelo seu sindicato.

E assim, seja lá como for
Vai ter fim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma flor
Brotar do impossível chão
[J. Darion – M. Leigh]